Conheça a história do violão: origem, curiosidades e muito mais

O violão é um dos instrumentos musicais mais antigos que existem. Mas a sua história ainda deixa muitas lacunas.

Ainda hoje, existem muitas teorias sobre a história do violão. E novas vem sendo adicionadas.


Acredita-se que o violão tenha surgido na espanha, por isso muitos usam o termo “guitarra espanhola”. E por falar em “guitarra”, esse é o nome do violão em vários países. O curioso é que apenas aqui no Brasil usa-se o termo violão, sendo essa uma variação do nome “viola”.

Temos muita coisa que abordar sobre a história do violão. E se você quiser entender melhor e ainda conhecer algumas curiosidades, continue lendo.

Compartilhe Esse Artigo Com Seus Amigos no Facebook

Compartilhe Esse Artigo Com Seus Amigos no Twitter

Compartilhe Esse Artigo Com Seus Amigos no E-MAIL

Etimologia do nome “violão” e “guitarra”

Nós falamos aqui que apenas aqui no Brasil é usado “violão” para referir-se ao instrumento acústico de 6 cordas que é um dos mais populares do mundo. E que esse nome derivou de “viola” que é um instrumento popularmente usado na música sertaneja.

O nome “viola” vem de “vihuela” que é um instrumento de cordas ibérico. E ao contrário do que muitos pensam, a vihuela não originou a guitarra, mas ela existia junto com esse instrumento.

Já o termo “guitarra” (como é conhecido o violão em várias partes do mundo) teve origem no nome “kíthara”, que era um dos principais instrumentos de cordas dedilhadas da antiguidade.

Em países como Estados Unidos, Espanha e França, usam-se nomes como: guitar. guitarra, gitarre e até mesmo chitarra para se referir ao nosso querido violão.

Há uma outras história sobre a origem do nome “guitarra” que seria: o termo kíthara, que originou o nome guitarra, de acordo com o sânscrito, teria derivado de “chartâr”, onde “târ” significava “cordas” e “char” significava quatro. Logo, chartâr, um instrumento de 4 cordas, teria sido um dos responsáveis pela criação do nome “guitarra”.

História do violão: quem foi o responsável pela criação desse instrumento?

Agora que já temos algumas ideias de como surgiu o nome violão e guitarra, obviamente queremos saber também quem foi o criador desse instrumento musical.

Não se sabe quem criou o violão. Sabemos é que esse instrumento recebeu a influência de muitos outros da antiguidade para ser desenvolvido.

Há algumas teorias sobre a origem do violão, mas, até então, nada concreto.

A primeira é de que o violão teria se originado da Khetara grega, que mais tarde passou a ser conhecida como “Cítara romana”. Isso devido ao Império Romano ter conquistado o domínio.

Quando a Cítara chegou, com os romanos, até a península Ibérica no século I a.C, sua estrutura se assemelhava a da Lira. Com o tempo ela foi sofrendo alterações até que se chegasse a um instrumento contendo 3 cordas e 3 cravelhas. Onde o corpo foi transformado até chegar a uma caixa de ressonância, semelhante ao que temos hoje no violão.

No braço foram acrescentadas divisões (trastes). Desse modo, o instrumento poderia ser tocado na posição horizontal e uma mesma corda produziria várias notas. Essas seriam as primeiras características do violão.

Outra teoria sobre a origem do violão é que ele teria derivado do alaúde. Outro instrumento levado a península ibérica, só que através das invasões dos muçulmanos, por volta de 711 a 718, liderados por Tariz.

O alaúde passou a ser um instrumento essencial nas atividades da corte, se adaptado às atividades culturais daquela época.

Como ambos os instrumentos (Cítara e Alaúde) existiam na Espanha, então há essas duas teorias. Mas até o presente momento não se chegou a uma conclusão precisa sobre qual delas seria a certa ou se existe uma teoria certa.

Ou seja, há teorias sobre os instrumentos que influenciaram a criação desse instrumento, mas não quanto a quem criou o violão.

A estrutura do violão hoje

O violão, até chegar ao instrumento que conhecemos hoje, passou por muitas transformações.

Hoje possui 6 cordas e o seu corpo é num formato que nos lembra um “8”. Na parte frontal do instrumento há uma boca que serve como parte essencial da acústica do instrumento.

Também possuí um braço, onde ficam as cordas e a escala, que pode variar de tamanho (a distância entre a parte onde estão a tarraxas e onde está o corpo do instrumento). Há instrumentos com braços maiores que possuem cerca de 23 casas, já outros menores que possuem cerca de 19 casas (a casa é onde se tocam as notas e montam os acordes, quais são divididas pelas pecinhas de metal, os trastes).

Temos na parte superior do violão (na mão) as tarraxas, que servem para segurar as cordas e fazer a afinação do instrumento.

Estrutura do violão

Abaixo temos uma imagem onde mostramos as partes que compõem um violão:

1 – Tampo: parte frontal do corpo do violão;

2 – Rastilho: pecinha que segura as cordas e fica no corpo do instrumento;

2 – Cavalete: peça de madeira que serve para prender o rastilho;

3 – Boca: orifício no corpo do violão, responsável pela propagação do som;

4 – Cordas: feitas de aço ou nylon e que, após feridas, produzem o som;

5 – Braço: parte onde ficam os trastes, casas e escala do instrumento;

6 – Trastes: pecinhas de metal que dividem as casas do violão;

7 – Casas: onde se localizam as notas no braço do violão;

8 – Pestana: localizada na parte superior do braço do violão, por onde passam as cordas;

9 – Tarraxas: tem a função afinar as cordas do violão

10 – Cabeça (ou mão): onde ficam as tarraxas e a pestana.

Outra coisa a comentarmos aqui é de que material é feito o violão. Bem, esse instrumento é comumente feito de madeira, sendo que há diferentes tipos de madeiras que podem ser usadas para isso, as quais resultam em instrumentos com timbres distintos e, também, com valores variados. A madeira influencia bastante na sonoridade do instrumento.

Alguns tipos de madeiras utilizadas na fabricação de violões são sitka spruce, rosewood, cedro vermelho e maple.

História do violão na música erudita

Muitas das vezes citada como “música clássica”, qual é um termo errôneo, esse tipo de música fora uma das principais tocadas no instrumento e que serviu para torná-lo tão amado por muitos.

Com a criação do violão, obras eruditas foram escritas especialmente para ele, entre sonatas,  prelúdio, concertos, etc. Tudo a fim de explorar ao máximo o que esse instrumento possibilidade para a interpretação musical.

O violão tocado na música erudita não faz uso de palheta, mas faz-se apenas uso das unhas da mão direita, as quais precisam estar nem muito curtas e nem muito compridas. No entanto, músicos como Francisco Tárrega afirmam que o ideal seria ferir as cordas usando a parte macia dos dedos e não as unhas.

Para que serve o violão?

Obviamente, ele serve para fazer música. Logo quando foi criado, esse instrumento era destinado a execução e composição de música erudita. Porém, com o tempo, passou-se a utilizar o violão como companheiro do canto.

No Brasil, por exemplo, ele passou a fazer parte nas rodas de samba, a estar muito presente no mpb, etc. É um instrumento muito usado por aqui.

Mas além de ser um instrumento favorito para o acompanhamento da voz, em solo brasileiro ele também passou a ser usado no acompanhamento com outros instrumentos como cavaquinho, flauta, etc, formando assim a base de um grupo de choro.

Conforme o tempo foi passando, a “guitarra espanhola” passou a fazer parte das músicas de diferentes estilos pelo mundo. Atualmente o violão está presente desde a música erudita, mpb, música sacra, até pop, rock, sertanejo, etc.

E existem diferentes técnicas usadas ele. Uma em especial e quem tem despertado o interesse de muitos estudantes de violão é a conhecida como fingerstyle. Essa técnica consiste em fazer harmonia e melodia ao mesmo tempo tempo no violão e usar também técnicas percussivas, por exemplo.

Ainda hoje, o violão é usado também em concertos de música erudita. Em muitas das vezes, ele pode tanto fazer parte de uma orquestra com outros instrumentos ou pode, até mesmo, fazer parte de um grupo onde tem-se apenas violões.

Algumas curiosidades sobre o violão

Agora que conhecemos um pouco sobre a história e origem do violão, veremos algumas curiosidades desse magnífico instrumento musical.

1 – Você sabia que o violão tinha apenas 4 cordas?

Uma curiosidade interessante sobre a evolução do violão é quanto ao acréscimo de sua 5ª corda.

Até um certo período, o violão contava apenas com 4 cordas. Mas Vicent Espinel, ao final do século XVI, adicionou a 5ª corda ao instrumento (a corda Lá).

Acredita-se que ele tenha adicionado essa corda para que se pudesse tocar música de alaúde e de vihuela com o violão. Essa teoria foi confirmada por Gaspar Sanz, compositor e violonista espanhol.

Outra curiosidade aqui é que foi depois de ser adicionada essa 5ª corda que o violão passou a ser conhecido como “guitarra espanhola”.

2 – Trocar o nome do violão

A gente contou aqui que apesar de usarmos o termo violão, boa parte dos países usa “guitarra” para se referir a esse instrumento. Nos Estados Unidos, por exemplo, usa-se “electric guitar” para se referir a guitarra elétrica, a nossa guitarra. E para se referir ao violão eles usam o termo “guitar” ou “acustic guitar”.

Mas você sabia que houveram tentativas de mudar o nome aqui no Brasil também para “guitarra”? No entanto, muitos não concordaram e, como podemos ver, a ideia não foi concluída.

3 – Herdeiro do alaúde

Que o violão é ou não o precursor do alaúde, o que se sabe mesmo é que o alaúde contribuiu bastante para história do violão na parte de repertório.

4 – A adição da 6ª corda do violão

A 6ª corda do violão, para deixá-lo como conhecemos hoje, foi adicionada no século XVIII. No entanto, não se sabe ao certo quem fez esse acréscimo e nem a data exata que isso aconteceu.

Há quem atribua a adição da sexta corda do violão ao luthier Marechal, estabelecido em Paris. Em 1964, o compositor e violonista uruguaio Isaías Sávio, escreveu numa revista sobre música que a opinião do músico francês, Lavoix, sobre Marechal ter sido o responsável por adicionar a 6ª corda ao violão, poderia ser a certa, já que nessa época surgiram métodos como o de Antonio Nava onde haviam títulos como “Metodo Per Chitarra Francesa”. Ele diz que a expressão “Francesa” no título do método serviria para explicar isso.

5 – A decadência do violão

Ainda falando sobre o século XVIII, uma coisa interessante de se mencionar aqui é que ele ficou conhecido como um período em que o violão teve uma decadência. Nessa época não houveram importantes músicos que contribuíram para o repertório do instrumento.

6 – Antigas cordas do violão

Uma outra curiosidade, talvez não muito agradável para muitos, é que as cordas dos violões de antigamente eram feitas com tripas de ovelhas. Mas, também, eram usadas tripas de outros animais para isso.

7 – A luta para reconquistar os “anos dourados”

Quando o violão passou a ser usado na música popular brasileira, ele começou a ser visto com maus olhos. Ao passo de ser tratado como instrumento de boêmios. Por muitos anos o violão carregou sobre si esse peso.

Mas em meio a tudo isso surgiram alguns músicos com o objetivo de resgatar os anos de ouro do instrumento. Um desses foi o músico Joaquim Santos (1873 – 1935), mais conhecido como Quincas Laranjeira. Ele, que foi fundador da revista “O violão”, dedicou-se a ensinar o instrumento usando o método do violonista espanhol Francisco Tárrega.

8 – A guitarra se originou do violão

A única certeza que temos é a de que a guitarra que conhecemos hoje teve sua origem no violão. Não é a toa que ele é conhecida como “electric guitar” (o que podemos chamar de “violão elétrico”).

Para finalizarmos

Com vimos aqui, nossa guitarra espanhola não possui um criador ou uma origem específicos, devendo-se conhecer a origem e etimologia de outros instrumentos da antiguidade para se conseguir compreender a história do violão.

Ainda, sobre a evolução do violão, ao longo dos anos ele passou por muitas modificações e, devido a isso, hoje temos instrumentos de variados tamanhos. Assim é possível escolher um instrumento que melhor se adapte ao seu estilo, gostos, etc. Há até mesmo como, através de um luthier, construir um violão personalizado.

A história do violão é bastante ampla e se você é apaixonado por ele, vale muito a pena se aprofundar e conhecer mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *